O Menino e Seu Brinquedo

Tuesday, August 22, 2006

Sobretudo, A Experiência

E que outro dia, conversava com meu primo sobre a evolução dos seres humanos.
Bah!
Dito assim, até parece que a conversa era pra lá de séria!!!!
Na verdade, até que, apesar do tom de deboche com que apresentávamos nossas observações, o assunto, mundano, vale alguns comentários.
Sabe quando você começou sua vida sexual?
Lembra como tudo parecia estranho, e, ainda que você fizesse seu melhor, as coisas eram todas mais complicadas?
Tinha um desconforto com o seu corpo.
Aí, o seu corpo estava interagindo com um outro que, hoje a gente até sabe, também não era muito confortável para o camaradinha.
Ah, claro, você estava apaixonada.
Ele, nem sempre.
É. Merda acontece.
A minha geração (eita!) começou a vida sexual tendo lido aquela pataquada da Capricho, e com os primeiros dossiês lacrados da Nova em mãos.
Quando você tem 17-18 anos, Lolita besta, pensa que TEM que saber tudo. Que tem obrigação de conhecer o Kama Sutra de trás pra diante e ainda achar que tem que ser tudo ótimo. Ah, sim, com orgasmos múltiplos inclusos.
E, cá entre nós, nada disso é verdade.
Bom. Aí, o tempo passa.
As suas escolhas daí pra diante, são suas. Ok?
Mas o que importa, e aqui quem fala é uma mulher chegando perto dos 30 anos - sem vergonha nenhuma disso, e até com um certo orgulho - é que o tempo, a experiência, alguns anos de terapia, e a desmistificação de toda essa tolice de revista feminina, tornam tudo muito mais simples.
E bonito.
Que coisa besta, ir pra cama com alguém que não te abraça apertado!
Que não se preocupa com você e nem tira meia horinha pra saber como você gosta de ser beijada.
Cujo cheiro você não reconheça.
Alguém que não converse baixinho com você, no escuro.
Que não diga que você é tão bonita!
Alguém com quem você não consiga dar uma boa risada.
Alguém que deseje que você vá embora.
Alguém que sequer você conheça o suficiente para querer bem.
Ok, tá certo. Parece um discurso moralista, de quem só faz sexo com amor.
Primeiro, não é um discurso. E meu passado me condena.
Não é um mistério tudo o que penso sobre experimentar, e o que quer que eu diga aqui pode soar velho e rançoso.
Mas, depois que você experimentar o que quiser, as situações que desejar, e tentar colocar em prática todos os dossiês que tiver lido e colado na cabeceira da cama, e continuar com aquela sensação de que falta alguma coisa... O que você vai fazer?
Ah, e só pra constar... Orgasmos poderosos são mais fáceis com intimidade.
Mas, se as meninas de 17-18 anos soubessem de tudo isso, talvez nós estivéssemos perdidas.
N'est pas?

4 Comments:

  • At Tuesday, August 22, 2006, Blogger Fonseca said…

    Não sei se tem muito a ver com a linha de raciocínio do teu texto, mas cá reproduzo declaração de um colega de serviço: "sexo é complicado. Pouca gente faz, e essa pouca gente faz pouco".

     
  • At Wednesday, August 23, 2006, Anonymous HH said…

    Por favor, não leve a mal... eu só querooooo que você me queira... não leve a mal.

    (como na música d'Os Mutantes)

    ah, se fosse simples assim.

     
  • At Wednesday, August 23, 2006, Anonymous Rafael said…

    Nossa, sem palavras!!!
    Ah, e não concordo com o comentário do amigo aí de cima. Muitos fazem, mas poucos com qualidade!!!
    E entenda qualidade como diversos fatores, amor é um, carinho é outro, entre muitas coisas.

    Bjus linda!!!

     
  • At Wednesday, August 30, 2006, Blogger june moon said…

    ah, regina, é isso aí.
    e não tem nada de careta ou rançoso. é só uma questão de pele, se gostar mais e deixar de ser joguinho pra posar de moderna.
    ;)
    (e você sabe que a nossa linha é a mesma no "passado me condena", n'est pas?)

     

Post a Comment

<< Home