O Menino e Seu Brinquedo

Wednesday, May 16, 2007

Modóloga em Crise

Pois é.
E cá estou eu, Designer de Moda, mestranda em Design, dando um break nos artigos que preciso/tenho que escrever, louca pra falar de quê?
De Moda, de corpo, do corpo e da moda, das loucas e intensas relações da moda, dos pontos de sedução, dessas coisas todas.
Muito a fim de entender o tal do design e cansadíssima de justificar porque fazer Moda é fazer Design, e porque às vezes é Arte e porque outras vezes é artesania.
E que, ok, tá tudo muito bom, não importa que as coisas não sejam fixas e que bacana é viver esse trânsito, até mesmo o trânsito de significações.
Mas enfim, com quem falar sobre isso, ora bolas? Com outras modólogas?
Com outros designers?
E se eu quiser ter a perspectiva de pessoas que vão ouvir todas essas coisas pela primeira vez? E daí?
E daí, meus bons 2 leitores, que ninguém pára pra escutar.
Moda é assim, uma coisa fútil e passageira, quase uma gripe meio forte. E que, tirando o frisson dos desfiles das semanas de moda, ao mundo pouco interessa.
Eu quero dizer que Moda não é essa coisa da roupa, da compra, dos usos, mas é todo o comportamento - sem querer usar a palavra atitude - e as questões do estilo e do corpo.
E o estilo é outra coisa, tem a ver com a marca que o criador imprime naquilo que cria, aquilo que torna o objeto inconfundível e está mesmo na raiz da palavra estilo.
Me cansam as acusações de que quem faz Moda é deslumbrado e não tem nenhuma consciência de atuacão na sociedade.
Me cansam também essas pessoas que, na tentativa de parecer bem diante da sociedade, vestem a camisa da sustentablidade.
O agir de forma responsável com o mundo não exige bandeira.
Foi muito interessante ouvir o Darras na segunda-feira contando que na Franca já não existem mais essas sacolinhas plásticas de mercado, você pode comprar a sua sacola, como aquelas de feira que mamãe tinha, e, quando ela estiver bem velha, você pode trocar, sem custo adicional, por outra nova. Caso contrário, querido, você vai carregar suas compras nos braços.
Sou a favor das pesquisas de reciclagem para confecção de fios que farão tecidos, mas, apesar de deslumbrante, quanta água é utilizada no processo? E, depois de utilizada, ela é recuperada? Mesmo? Como?
É preciso ter uma visão crítica de todas as informações que recebemos diariamente, questionar, filtrar, perceber as proporções.
Me cansa também a idéia dos resgates, da proteção ao artesanal, tendo em vista que aquilo que é produzido ali, onde quer que seja, é original, único. Mania besta, sô!
Somos uma nação de mestiços, com mania de exportar o estereótipo, o índio, o negro, o Brasil da cerveja gelada, do futebol e da mulata pelada no Carnaval.
Ou você acha que a índia sabia fazer crochê?
Ou que o holandês não sabia fazer cestaria?
Bom, agora, eu vou voltar ao trabalho.

Namaste.

3 Comments:

  • At Tuesday, June 05, 2007, Anonymous Dinha said…

    Muito interessante tudo isso. A respeito da sustentabilidade, lembro-me de um professor comentar que um dos maiores problemas ecologicos do Brasil nao e a degradacao da Amazonia, mas a exportacao de frutos (pois o fruto eh agua virtual, etc). Se virmos os ciclos de todas as coisas, ao final temos que optar pelo que eh menos danoso, ja que tudo o eh em alguma escala, blabla. De todas as formas, excelente texto. Beijos! PS - Cestaria eu nao sei, mas queijo e iogurte com certeza sabem!

     
  • At Monday, June 11, 2007, Blogger Regina said…

    Floooooooooooooooor!
    Me manda um email!!!!!!!!!!!

     
  • At Tuesday, June 12, 2007, Anonymous Fernanda said…

    Como sempre, você é intensa.
    Passarei a ler o que está no seu Blogg
    Beijos

     

Post a Comment

<< Home